SmartHint: sua vitrine personalizada na loja virtual

Apresentar o produto correto ao consumidor pode aumentar em até 350% a taxa de conversão. Por meio de inteligência artificial é possível captar os interesses de cada cliente, para oferecer uma vitrine personalizada

Você já pensou em investir em uma vitrine de recomendações virtual personalizada para cada cliente? Com o objetivo de promover a apresentação de produtos adequada ao perfil de navegação de cada consumidor, a SmartHint oferece uma funcionalidade para tornar a loja virtual personalizada. Por meio de inteligência virtual, a solução capta dados do comportamento do cliente, para que o sistema possa aprender e identificar os produtos de interesse.

Além disso, ela também possibilita gerar popups personalizados, com contador regressivo. Eles permitem despertar no consumidor um sentido de urgência, visando aumentar a conversão de vendas naquele instante. São as chamadas campanhas de retenção, que possuem, em média, segundo a plataforma, taxa de conversão 350% maior que da loja virtual. Conheça mais sobre a SmartHint nesta entrevista com o fundador e CEO, Rodrigo, Schianivi.

Olá Rodrigo, prazer em falar com você e parabéns pelo trabalho que vem realizando na SmartHint. Vamos falar um pouco da SmartHint – o que fazem e o que oferecem exatamente?

A SmartHint é um serviço de recomendação, com base em inteligência artificial que trabalha para oferecer os produtos adequados ao perfil de navegação do comprador virtual.

Funciona assim: após o lojista ativar o serviço, a solução começa a captar dados do comportamento do cliente utilizando várias informações como o catálogo de produtos, preço, estoque, cliques, visualizações, compras, região, avaliações, entre outros. Dessa maneira, mapeia todos os passos para que o sistema possa aprender e identificar qual é o perfil do consumidor.

Depois desse mapeamento, oferece aos consumidores vitrines de recomendações. Também alterna qual vitrine pode aparecer para cada cliente de acordo com o perfil de comercialização. Alguns varejos on-line têm perfil para produtos de maior valor agregado e trabalham mais forte a exposição e detalhes dos seus produtos.

Neste caso, o sistema identifica isso e pode trabalhar vitrines como “lançamentos” e “o que os outros clientes estão vendo agora”, pois os consumidores gostam de ver novidades e também saber o que os outras pessoas costumam ver. Por outro lado, outro varejista pode ter uma “pegada” mais promocional. Já neste exemplo, a inteligência artificial vai trabalhar vitrines como “ofertas especiais”, “baixou de preço”, etc.

 

Quais as principais tendências que você vê hoje ocorrendo no setor varejo virtual?

O e-commerce vem passando por grandes transformações. A entrada dos grandes marketplaces está gerando forte concorrência, aumentando significativamente o custo de aquisição dos clientes (valor investido pelo varejista para fazer marketing e trazer o cliente até sua loja). A forte tendência fica por conta da personalização da loja virtual para aumentar a fidelização dos clientes vendendo mais e, com isso, reduzir o custo de aquisição.

Que tipo de empresa pode se beneficiar dos serviços/produtos oferecidos pela SmartHint?

Lojistas virtuais de pequeno e médio porte que não tinham condições de sustentar sistemas de recomendação devido aos altos custos e que hoje, com a tecnologia como da SmartHint, têm acesso facilmente com investimentos chegando a menos de 10% se comparado com as soluções até então disponíveis.

Da mesma forma, que tipo de situação a SmartHint NÃO se propõe a resolver?

Muitos confundem sistema de recomendação que atua exclusivamente dentro da loja virtual com campanhas de remarketing que tem por objetivo mostrar os produtos em outros sites, blogs, buscas etc., mas essa não é a proposta.

Quais são os erros mais comuns que você vê as empresas cometendo em relação a este assunto específico dos sistemas de recomendação no varejo virtual?

Não diria que é um erro. Um sistema de recomendação inteligente pode aumentar em 30% as vendas da loja virtual e isso poucos varejistas de pequeno porte sabem. Aqueles que conhecem o benefício ainda têm em mente que o custo desta tecnologia é muito alto e acabam não ativando em suas lojas. Esta realidade mudou. Hoje já é acessível ter um sistema que “atende” o consumidor 7 dias por semana, durante as 24 horas do dia.

Dessa lista de erros, qual você considera o mais grave? Por quê?

A falta de conhecimento dessa tecnologia é uma dificuldade, porque o varejista pode utilizar um sistema de recomendação e ter o custo de aquisição reduzido. Com o serviço ativado na loja virtual, a taxa de conversão aumenta. Ou seja, para o mesmo público que é atraído para o e-commerce, mais vendas acontecem e, consequentemente, o custo de aquisição cai. Este é um desafio nosso também e estamos trabalhando para divulgar mais os benefícios deste sistema, assim como mudar o paradigma, provando que esta solução requer baixo investimento, podendo gerar ROI de 1.000x (mil vezes).

Imagine que uma empresa está pensando em desenvolver um projeto nessa área de sistemas de recomendação. Por onde deve começar? De maneira sucinta e objetiva, quais as suas principais recomendações?

Desenvolver um sistema de recomendação do zero é algo altamente custoso. O meu conselho é contratar um sistema já pronto no mercado, plug-and-play como é o caso da SmartHint. Para utilizar nossa solução, o varejista pode facilmente instalar com um clique. Ou, dependendo da plataforma, utilizar apenas a instalação de um script/tag e o sistema já começa a vender na loja.

Qual seu diferencial em relação a outros possíveis concorrentes? Por que vocês são diferentes de outros fornecedores da área?

Os demais sistemas são apenas vitrines de produtos resultantes de um algoritmo matemático que processa uma grande massa de dados. A SmartHint se diferencia por ser uma engine de inteligência artificial, que além de evoluir constantemente junto com a loja virtual, também atua proativamente, alternando vitrines de locais e posições com base em cálculos. Visamos sempre a melhor taxa de conversão, e isso tudo sem a necessidade de configurações manuais.

Com tanta experiência na área, quais dicas ou informações você vê sendo dadas pela mídia em geral sobre este assunto das recomendações (ou do varejo virtual) com as quais claramente não concorda?

Vejo a mídia se preocupar excessivamente com o marketing de aquisição. Concordo que isso é importante, mas as estratégias dentro da loja também são e não ganham a mesma visibilidade. Isso ocorre até por desconhecimento, por se tratar de algo relativamente novo (sistema de recomendação acessível que atende o varejo por completo) e que se concentrava apenas em uma parcela muito pequena do varejo (mais comum em grandes lojas virtuais).

Onde uma pessoa que quiser saber mais sobre a SmartHint pode encontrar informações e tirar dúvidas?

Pode nos encontrar em www.smarthint.com.br. No nosso site, tem mais informações de como nossa tecnologia funciona, quais são as plataformas em que já estamos integrados, entre outros assuntos.

Algum último comentário que queira fazer para os leitores da VendaMais?

Acho importante pontuar que o e-commerce deve fazer uma reflexão sobre as tecnologias que utiliza ao buscar novas alternativas para agregar maior valor com baixo investimento. Tenho frisado sempre isso quando tenho oportunidade, pois este é um caminho para melhorar os custos internos e buscar a tão almejada lucratividade.

Leia também