Se vira na crise: plataforma movimenta setor de odontologia por meio de marketplace de nicho

O comércio virtual e os marketplaces estão ainda mais fortes durante a pandemia. Além da entrega de produtos essenciais e outras compras, marketplaces mais nichados também estão ganhando protagonismo por conta das facilidades que levam aos mercados que atendem.

É o caso, por exemplo, da UDlab, plataforma que conecta dentistas a laboratórios em poucos cliques com a triagem baseada em localização, preço e prazo. Eles são um marketplace para laboratórios de prótese, segmentado, mas que garante a movimentação do setor. Apesar de a maioria dos dentistas estar parada, cerca de 20 laboratórios seguem recebendo pedidos e produzindo próteses por conta da plataforma.

Seguindo esta mesma tendência, vários outros produtos podem encontrar no marketplace de nicho uma forma de ampliar mercado e performar, mesmo durante a fase de isolamento social provocada pelo COVID-19. Como forma de inspiração, compartilhamos a seguir o case da UDLab.

Marketplace segmentado garante a movimentação no setor de odontologia

Criada em 2019, a UDlab oferece uma plataforma que conecta dentistas a laboratórios de prótese em poucos cliques, com a triagem baseada em localização, preço e prazo. A startup introduz na rotina de dentistas e clínicas um fluxo automatizado de pedidos e treina os laboratórios com mentorias constantes para se atualizarem.

“Enquanto dentista, conversei com profissionais clínicos e protéticos de todo o país e compreendi que as falhas que eles sentiam também estavam presentes em minha rotina”, explica o CEO e fundador Dr. Luis Calicchio. O dentista possui mais de 15 anos de experiência e atuou como membro do Ateliê Oral, consultório referência na odontologia estética brasileira.

Digitalização dos pedidos e fluxo de caixa

Pautado nestas dores operacionais reais, o CEO desenvolveu uma plataforma que alinha toda uma cadeia, antes analógica e cheia de erros e refações. O fluxo de pedidos é totalmente digital e permite descrição do material, cor, tamanho, além do envio de fotos e vídeos para ilustrar o quadro do paciente. Além disso, o pagamento dos pedidos é feito dentro do aplicativo, em até 10x. Essa prática gera mais “fôlego” no fluxo de caixa dos consultórios.

Redução de tempo de espera

O Brasil é o segundo maior país do mundo na produção protéica, perdendo apenas para os Estados Unidos. O objetivo do aplicativo da UDlab é reduzir o tempo de entrega dos pedidos de próteses. No geral, a jornada de confecção de próteses dura 14 dias. Os trabalhos pedidos pelo app têm um tempo de entrega reduzido em pelo menos 50%. Calicchio informa que existem até mesmo opções de laboratórios que conseguem entregar em até 3 dias úteis.

Treinamento para usuários

“Tudo começa com o treinamento que passamos para esses laboratórios. Eles precisam estar regulamentados e conhecer bem nosso fluxo de operações antes de iniciarem suas vendas no aplicativo. Com isso, vem a nossa certificação de qualidade e de que eles estão aptos para atuar. Já em atividade pelo UDlab, eles seguem progressivamente avaliados e recebem feedbacks úteis dos dentistas para continuarem crescendo”, explica Calicchio.

O Dr. José Carlos Garófalo é um dos profissionais que aprova o serviço. “Testei o aplicativo e pude utilizar o trabalho de laboratórios que nunca vi fisicamente, mas que estavam bem avaliados. O preço é bom e eles me entregaram no prazo. O mundo mudou”, afirma o dentista.

>> Exclusivo para assinantes: 21 melhores práticas para diagnosticar a experiência dos clientes

A UDlab atua de forma disruptiva focada neste expressivo mercado brasileiro. Vale lembrar que o país tem o maior número de dentistas do mundo, cerca de 20% de todos os profissionais de odonto do planeta estão aqui.

A odontotech cria um ecossistema de aperfeiçoamento constante deste cenário, no qual dentistas e laboratórios ampliam suas atividades e entregam produtos cada vez melhor apurados aos pacientes. “Nosso propósito é aprimorar tornar toda essa cadeia de pedidos e que a odontologia digital se dissemine cada vez mais pelo país”, conclui o CEO.

E o seu ramo, já possui ou teria espaço para desenvolver uma tecnologia semelhante? Vale a pesquisa e reflexão.

Leia mais conteúdos da seção Se Vira na Crise: