Reinvenção não é questão de opção

O mundo está mudando a cada dia. Você está mudando com ele? 

Por Silvana Lages

Quem me conhece, sabe: eu vim do interior, cresci em uma casa onde não existia nem energia elétrica. Saí de lá, fui morar na cidade grande, virei mãe, virei empresária, virei palestrante, virei coach de empoderamento e marca pessoal.

Muitas mudanças, certo? Será que aquela criança do interior imaginava que iria chegar onde chegou? Provavelmente não. Mas foi graças a ela e a sua capacidade de reinvenção que hoje estou aqui, escrevendo para você.

“Mas que capacidade de reinvenção é essa, Silvana?”

Bom, é fácil de explicar: é a capacidade de se adaptar àquilo que o mundo pede. É a capacidade de se transformar, dia após dia, tendo flexibilidade e sendo aberto às mudanças que venham a nosso favor.

Vou dar um exemplo que pode te ajudar a entender melhor: recentemente, uma onda de alertas vindo de diversas celebridades, como a Gisele Bündchen, trouxe à tona um problema que, até pouco tempo, nós deixamos passar: o uso desnecessário de canudinhos plásticos e a poluição trazida por eles.

É só pedir uma bebida em algum restaurante que lá estão eles. Nos bares, cantinas e padarias, os recipientes com canudos ficam à disposição dos clientes – eles podem pegar quantos quiserem. Tendo em vista que o material usado é de difícil degradação e que o descarte feito com o lixo é, muitas vezes, indevido, pessoas de todo o mundo têm parado de usá-los a cada dia que passa. E, mais que isso: influenciam outras pessoas a pararem de consumi-los também.

E é agora que eu te pergunto:

  • O que isso gera para as fábricas dos canudinhos?
  • Como os donos vão lidar com a situação?
  • Será que eles previram o que ia acontecer ou esperaram para que o pior momento chegasse, sem se reinventarem antes?

Porque uma coisa é certa: a consciência ambiental vem aumentando há anos. Era possível prever que as pessoas iriam, um dia, perceber que o uso de canudos era desnecessário. Será que eles se reinventaram antes disso acontecer ou esperaram pelo pior e estão, agora, de mãos atadas sofrendo com as consequências? É uma questão a se pensar.

Repense sua trajetória

Eu convido você, agora, a pensar na sua própria trajetória e analisar se você está atento aos novos processos e mudanças do mundo. Você vê propósito na área onde atua? Por que você faz o que faz? Será que você precisa passar por um momento de reinvenção?

O mundo nunca sofreu mudanças tão rápidas e intensas como vem sofrendo agora. E, para seguimos junto a ele, precisamos ter flexibilidade para nos adequarmos a tantas transformações.

As pessoas que ficam engessadas e confiantes naquilo que fazem, sem se abrirem às mudanças, correm o risco de ficarem para trás, tipo de mãos dadas com a Kodak. Elas podem ser excelentes no que fazem em um mundo já não demanda mais aquele serviço.

Então reinvente-se!

Reinvente sua carreira, reinvente-se como profissional, reinvente-se dia após dia. Não espere pelo pior, não espere se tornar obsoleto em um mundo que já mudou – então mude com ele!

Se reinventar não é criar uma nova versão de você, do zero. É pegar tudo que você já é e se transformar em uma versão ainda melhor, com novos valores, novas visões, novos posicionamentos.

Então se redefina a cada passo que você der! Se não der certo, tudo bem, você pode se reinventar de novo. O que você não pode é ficar parado.

Silvana Lages é Palestrante e Coach de Marca Pessoal. Saiba mais em: http://silvanalages.com.br/

Leia também