Play2sell: plataforma de gamificação em vendas utiliza tecnologia para engajar vendedores

Que conhecimento sobre produto é fundamental para fazer uma boa venda, isso você provavelmente já sabe. Mas foi de olho na demanda por formação de vendedores e por treinamentos de vendas mais interativos e lúdicos, que a startup Play2sell surgiu.

A ideia para uma empresa que atua com gamificação para empresas, sobretudo para treinamentos de vendas, surgiu em San Francisco, na Califórnia, em 2017. Na época, o economista e empreendedor Felipe dos Santos foi morar no Vale do Silício, em busca de inspiração para seu próximo negócio. Ele já tinha co-fundado e vendido duas empresas de software para o mercado imobiliário.

>> Exclusivo para assinantes: Confira as 6 etapas para recrutar o melhores vendedores para sua equipe

Ao se graduar no programa de aceleração do Founder Institute, a Play2sell iniciou suas atividades como startup e recebeu uma primeira rodada de investimentos de nomes como Jupter, NB Capital, LAAS e os investidores- anjos da Resh.

Que tal conhecer um pouco mais sobre este case? Confira na entrevista com o fundador Felipe dos Santos. 

Que tipo de serviço vocês oferecem exatamente na Play2sell? Como o seu serviço é diferente de outras propostas similares no mercado?

Felipe dos Santos - fundador da play2sell

Felipe dos Santos, fundador da play2sell

Sabemos que o cliente faz muita pesquisa online antes de falar com o vendedor. Muitos de nós provavelmente já tivemos a experiência de ter sido atendido por alguém com menos conhecimento que a gente sobre o produto. Sabemos que, em situações como estas, muitos negócios são perdidos por falta de conhecimento do profissional de vendas.

Se, por um lado, os vendedores encontram um cliente mais bem informado, por outro, as empresas tentam treiná-los, porém, sem muito êxito. Isto porque os treinamentos tradicionais não têm se mostrado muito eficazes nos últimos tempos. A Play2sell desenvolveu um aplicativo em formato de jogo, que transforma aqueles monótonos e entediantes treinamentos tradicionais em uma competição saudável. Os vendedores mais bem colocados no ranking do game ganham prêmios e outros benefícios que os estimulam a estar na frente. E, como resultado, temos uma jornada de aprendizagem mais divertida, transformando a experiência de compra do cliente, e naturalmente, resultando numa maior taxa de conversão em vendas.

Como exatamente a Play2sell pode ajudar uma empresa a melhorar seus resultados em vendas? Pode compartilhar com a gente alguns casos de sucesso?

Temos alguns cases interessantes. No mercado imobiliário, por exemplo, um dos nossos clientes nos reportou que mais de 70% das vendas foram originadas pelos dez primeiros colocados no game da Play2sell. Outro cliente, do mesmo segmento, a Direcional Engenharia, faturou R$ 8,5 milhões, apenas de um lançamento, após a introdução do nosso game. Isto significa uma altíssima correlação entre quem mais joga e quem mais vende.

Que tipo de empresa pode se beneficiar deste tipo de solução?

Iniciamos no mercado imobiliário, atendendo incorporadoras e imobiliárias. Hoje, atendemos empresas de diversos segmentos, tais como indústrias, setor farmacêutico e, agora, estamos iniciando no varejo. Qualquer empresa com mais de trinta vendedores, sejam de uma equipe própria ou parceira, de diversos segmentos, podem ser nosso cliente. Somos mais procurados por empresas com grande volume de lançamentos de novos produtos e também aquelas com significativo turnover de profissionais.

Da mesma forma, que tipo de situação você NÃO se propõe a resolver?

Se, por um lado, a gamificação pode ser uma excelente ferramenta de engajamento, por outro, ela não resolve problemas estruturais, como, por exemplo, favoritismo, desconfiança do líder, ausência de oportunidades de crescimento, conflitos, etc.

Quais são os erros mais comuns que você vê as empresas cometendo em relação a essa questão do uso de treinamentos gamificados para a equipe comercial?

Um dos erros mais comuns que percebemos é, por exemplo, estabelecer pontos e prêmios aos vendedores que assistirem a um determinado vídeo de treinamento. A gamificação em vendas deve ser utilizada como incentivo final, não meio. Ocorre, nestes casos, que o vendedor clica no play e vai fazer outra coisa, só para garantir os pontos. Outro erro comum é a empresa oferecer um benefício aos campeões e mais tarde não cumprir com a promessa. Isso acaba desestimulando o grupo, que naturalmente se desengaja da iniciativa. Mais um  erro clássico é estabelecer objetivos extremamente difíceis de serem atingidos. Ao estabelecer metas inalcançáveis, o líder acaba gerando mais frustração que estímulo.

Dessa lista de erros, qual você considera o mais grave? Por quê?

Definitivamente, não cumprir com a entrega dos prêmios e benefícios, o que contribui para um ambiente de insegurança e incerteza.

Por onde começar esta jornada de melhoria na questão do treinamento gamificado?

Sugerimos iniciar pelo aprimoramento no conhecimento do produto ou serviço oferecido, esta é a principal dor que temos de atacar. A pior coisa que pode ocorrer é o cliente estar disposto a fechar, vir falar com o vendedor, mas não conseguir tirar suas dúvidas. Ele desiste e vai embora, não é mesmo?

Com tanta experiência na área, existem informações que você vê sendo difundidas pela mídia sobre gamificação em vendas com as quais claramente não concorda, acha exageradas ou apenas modismos que passarão?

Muita gente acha que é simples utilizar estratégias gamificadas, bastando aplicar BPL (Badges, Points & Leaderboard). No entanto, a vivência na área nos mostra que muitas iniciativas de gamificação em vendas não surtiram efeitos. Uma das grandes razões é a falta de conhecimento e experiência no universo de jogos. Por isso, contamos com profissionais que atuam na indústria de jogos há mais de vinte anos.

Algum último comentário que queira fazer para os leitores da VendaMais?

A gamificação se fortaleceu no mundo corporativo, é importante ressaltar que um dos principais objetivos identificados por empresas é melhorar processos, o aprendizado dos colaboradores e promover a participação voluntária da equipe. Indo além do entretenimento e diversão, a gamificação em vendas é o caminho mais didático e de fácil compreensão para transformar comportamentos, engajar o time e despertar características da vida humana no ambiente de trabalho, como competitividade e cooperação.

Através da evolução dos desafios e sistemas de pontuação, similar aos jogos de videogame, o colaborador desenvolve melhor questões comportamentais e funções cognitivas. Desta forma, o cérebro consegue assimilar com mais clareza o conhecimento, armazenando  informações por mais tempo.

Saiba mais:

  • Acesse o site;
  • Entre em contato pelo WhatsApp (11) 9.4510-7474

Leia também: