O Paradoxo de Stockdale: fé no resultado final, apesar das dificuldades

Não controlamos o que nos acontece, mas podemos controlar a nossa resposta ao que nos acontece.

PJ Grzywacz, presidente da CMG Capital Management, escreveu há pouco tempo um texto excelente sobre a persistência e a resiliência que precisamos ter para lidar com estes tempos difíceis pelos quais estamos passando.

Aqui está a versão resumida, com comentários meus para dar contexto.

“Mantenha a fé de que você vencerá ao final apesar das dificuldades e, ao mesmo tempo, confronte os fatos mais brutais da sua realidade atual, sejam quais forem”.

– Jim Collins, pesquisador, consultor e autor do livro Good to Great

O almirante James Bond Stockdale era o militar de patente mais alta no campo de prisioneiros de Hanói durante a Guerra do Vietnã. Seu jato foi atingido em 1965 e depois de conseguir ejetar e cair de paraquedas numa pequena vila, virou prisioneiro de guerra.

Stockdale foi torturado mais de 20 vezes nos seus quase 8 anos de confinamento. Apesar da incerteza se sairia dali vivo, se veria sua família novamente, ele persistiu.

Não apenas sobreviveu mas assumiu a liderança de criar o máximo possível de oposição, dentro das circunstâncias, dentro do campo de prisioneiros, a ponto de uma vez ter-se mutilado e cortado para que sua imagem não pudesse ser usada como propaganda pelo governo.

Ele também liderou os outros prisioneiros na resistência às torturas e criou um elaborado sistema de comunicação dentro do campo.

O que é admirável e totalmente aplicável à nossa situação atual é a resolução estóica (influenciada pelos seus estudos de Epicteto, filósofo estóico grego e das Meditações de Marco Aurélio, que detalha os preceitos estóicos usados pelo imperador romano ao administrar suas várias responsabilidades) que acabou sendo essencial para sua liderança e sobrevivência.

No processo de escrever Good to Great, o pesquisador e consultor Jim Collins entrevistou o Almirante Stockdale e adaptou seus pensamentos para o mundo dos negócios. O foco de Collins não era apenas extrair lições de liderança, mas especificamente entender como Stockdale conseguiu manter-se firme ao enfrentar tanta adversidade sem nem mesmo ter a certeza de que viveria.

A resposta de Stockdale foi (conforme está no livro Good to Great) foi:

“Eu nunca perdi a fé em como seria o final da história. Nunca duvidei que sairia, mas que venceria no final e que aquela experiência se tornaria no momento determinante na minha vida – algo que, em retrospectiva, eu não trocaria”.

Quando questionado sobre quem não conseguiu sobreviver e sair dali, Stockdale respondeu:

“Os otimistas. Eram os que diziam “Vamos sair lá pelo Natal!”. Vinha o Natal e passava o Natal. Aí eles diziam “Vamos sair na Páscoa!”. Vinha a Páscoa e passava a Páscoa. E depois Ação de Graças. E depois novamente o Natal. E morreram de coração partido.

Essa é uma lição muito importante. Você não pode nunca confundir manter a fé de que vai dar tudo certo no final – algo que você nunca pode perder – com a disciplina de confrontar os fatos mais brutais da sua realidade, seja quais forem”.

Surge então o que Collins chamou do Paradoxo de Stockdale:

“Mantenha a fé de que você vencerá ao final apesar das dificuldades e, ao mesmo tempo, confronte os fatos mais brutais da sua realidade atual, sejam quais forem”.

Ao enfrentarmos as incertezas sobre o futuro – tanto da pandemia, seus efeitos quanto nosso próprio futuro – esta lição não poderia ser mais oportuna.

Embora precisemos manter a esperança de que venceremos ao final, precisamos nos manter centrados e disciplinados, especialmente para a possibilidade da economia não reabrir e/ou reativar na velocidade e com a intensidade que gostaríamos.

O que Stockdale reafirmou a Jim Collins que o separa as pessoas e as empresas não é a presença ou a ausência das dificuldades mas sim como lidamos com os inevitáveis desafios que encontramos pela frente.

Parafraseando Victor Frankl, autor de Em Busca de Sentido:

“Entre o momento em que acontece alguma coisa e nossa resposta existe um espaço. Nesse espaço existe uma escolha. Nessa escolha reside nossa liberdade e nosso crescimento”.

Não controlamos o que nos acontece, mas podemos controlar a nossa resposta ao que nos acontece.

Lições importantes para relembrar neste período que estamos passando (e que continuará por mais um tempo).

“Mantenha a fé de que você vencerá ao final apesar das dificuldades e, ao mesmo tempo, confronte os fatos mais brutais da sua realidade atual, sejam quais forem”.

É um recado que temos transmitido constantemente aos assinantes da VendaMais, que tem direcionado nossos trabalhos e posts e algo que renho reforçado MUITO nos grupos de mentoria de empresários (NEXT) das 3as e 4as à noite.

Não é sprint, é maratona. Calma, equilíbrio, persistência, perseverança, resiliência e fé no resultado final – apesar das dificuldades.

Abraço, boa semana,
Raul Candeloro
Diretor

P.S. Jim Collins gravou recentemente um vídeo sobre isso, disponível (em inglês) no Youtube: