“Mulheres não sabem vender carro”. Será!? 

Por Bruna Soares

Para as mulheres, iniciar uma carreira de vendas no ramo automobilístico pode ser bem desafiador, simplesmente pelo fato de ainda ser uma indústria predominantemente masculina e com produtos com características mais robustas. Porém, este texto retrata a experiência de alguém do universo feminino que trabalhou e conseguiu quebrar muitas barreiras ao longo da sua jornada para vender carro.

Tudo começou quando ela estava no Showroom da loja e ouviu um cliente abordando a recepcionista com a seguinte frase:

“Eu não quero ser atendido por nenhuma vendedora, porque mulher não entende de carro”.

Para muitas mulheres, esse discurso poderia soar desencorajador, já que estamos tratando de um início de carreira numa área na qual, de fato, ela apresentava pouca, até nenhuma experiência. Mas não para essa mulher, visto que se desafiar era muito mais tentador. Esse era o combustível que precisava para iniciar a jornada mais instigante e motivadora da sua vida profissional.

As grandes montadoras de carros no Brasil contam com um sistema de treinamento e conteúdo para capacitação dos seus funcionários, pois sabem que essa é a base de faturamento. Manter no mercado um produto de qualidade com uma equipe alinhada é trivial.

>> Exclusivo para assinantes: Nem sempre você precisa prospectar mais para vender mais! Entenda neste especial da VM Premium

Base de clientes

Entretanto, os primeiros passos dessa jornada não foram simples. Ela não contaria, provavelmente, com uma base de clientes pré-existentes, o que tornaria esse caminho um pouco mais longo e turbulento. Era necessário estar mais presente no salão de vendas, abordando os passantes, e isso, de fato, resultaria em um trabalho muito mais desgastante. Quando já se tem uma tabela de clientes, por exemplo, fazer o follow-up destes pode ser uma estratégia mais eficiente para incrementar as vendas, pois fica mais fácil despertar um desejo de compra em alguém que já conhece os seus produtos e serviços. 

Porém, ela pôde contar com a sorte de fazer parte de uma equipe de vendas Premium, na qual os seus colegas de trabalho tinham muito mais experiência no ramo e, generosamente, dividiam ideias e estratégias que iam melhorando a sua performance diariamente. 

Conhecimento, habilidades e ideias

Mesmo com limitações, essa mulher sempre buscou espaço para novos aprendizados e amadurecimento profissional. O maior e melhor investimento que poderia ser feito, principalmente no início de carreira, era nela mesma: no seu próprio conhecimento, habilidades e nas suas ideias. E ela entendia isso. No fundo, independentemente do valor do seu produto ou serviço, é isso que os seus clientes realmente compram: o seu diferencial. Nunca esqueça disso! 

Ela entendia que, por mais que estivesse vendendo um produto de alto valor, a grande marca que precisaria ser representada era a sua própria: o seu nome, o seu legado e as suas ideias. ELA PRECISAVA SER A SUA PRÓPRIA MARCA. 

No livro “A Arte da Guerra” (Sun Tzu, 1772), o autor retrata que “é preciso conhecer os seus concorrentes muito mais do que eles mesmos se conhecem”, e esse conceito precisa ser a base de toda abordagem de venda.

Não soa profissional falar mal de um concorrente. Muito pelo contrário: a estratégia mais eficaz é mostrar aquilo que o seu produto tem de melhor e mais moderno. E o necessário é fazer os clientes enxergarem com os olhos deles o que você também está vendo com os seus próprios. Isso, de fato, é vender uma boa ideia. 

Detalhes para vender carro

A parte mais proveitosa para uma mulher ao vender carro é explorar a performance e cada particularidade das diversas categorias de um jeito bem peculiar. Mulheres costumam ser mais detalhistas e essa é uma qualidade que deve ser bastante aproveitada nesse ramo.

Você consegue imaginar um test-drive no qual se pode apresentar de diferentes maneiras a versatilidade do seu produto? Ainda que seja o carro da linha de entrada 1.0 do seu fabricante, as mulheres, de um modo geral, têm um jeito mais harmônico em apresentar e testar os comandos eletrônicos, a potência do som, além de mostrar os compartimentos e cada detalhe que poderia passar despercebido. Isso sem esquecer de falar em autonomia, itens de segurança, aceleração, força do motor, e ainda dar dicas para outras mulheres que são compradoras de como abrir a porta do carro sem desfazer as unhas que acabaram de ser pintadas no salão de beleza, por exemplo. Esse é um diferencial que pode gerar confiança e aproximar o cliente do vendedor, da marca. 

O mercado ainda apresenta dezenas de revistas automotivas que mostram estudos sobre os novos lançamentos, comparações entre as marcas concorrentes e tantas outras informações que são excelentes para fortalecer argumentos para vender carro. A mulher que experimenta aprender os processos mecânicos básicos, consegue apurar a confiabilidade do cliente. Não existe nenhuma obrigatoriedade nisso, mas não há nada mais feliz do que ver uma vendedora abrindo o capô do carro e mostrando ao seu cliente cuidados necessários na motorização do veículo, ou explicando o porquê é tão importante fazer a rotação de pneus regularmente, por exemplo.

O discernimento feminino aumenta, à medida em que as mulheres se permitem conhecer de perto esse universo tão vasto em informações. O mais engraçado disso tudo é que as que trabalham nessa indústria sempre relatam o mesmo: “Quando você menos esperar, o assunto que mais lhe vai dar prazer em abordar com seus amigos e família é a diferença de performance entre um carro aspirado ou turbinado, torque e o que representa aceleração, e que pisar no acelerador de um carro turbinado é uma sensação alucinante”. 

Levantamento de necessidades

Fazer parte da indústria automobilística no Brasil é, definitivamente, um grande marco na vida de qualquer profissional de vendas, principalmente sendo uma mulher. Isso ocorre pelo simples fato delas conseguirem explorar essa área, enxergando os mesmos pontos, mas sob uma nova perspectiva. 

As mulheres sabem vender carro, sim! Porém, muito antes de aprender sobre mecânica, performance, autonomia, itens de segurança e todos os outros pré-requisitos necessários para a aquisição de um veículo, elas precisam estar atentas aos desejos dos clientes. E isso é inerente a qualquer vendedor, independente do gênero, de qualquer produto ou serviço: sempre escutar e buscar entender as necessidades e particularidades de cada um dos seus clientes. 

E se a necessidade do cliente for de encontrar um vendedor que entenda de carros, tudo bem, elas precisam de apenas 10 minutos para apresentar-lhes a SUA PRÓPRIA MARCA. 

mulheres sabem vender carrosBruna R. R. Soares é especialista em vendas há quase uma década, e iniciou sua carreira na área de telefonia e no setor automobilístico, ainda no Brasil. Nos Estados Unidos, país onde reside desde 2016, representou a Tiffany & Co. por três anos, e atualmente segue na indústria de luxo, porém com a marca francesa Louis Vuitton, na animada cidade de Las Vegas. Nos últimos meses, Bruna vem se dedicando à criação de seu produto digital, no qual abordará, de maneira dinâmica, técnicas de vendas para quem está iniciando nesse segmento.

 

Leia também: