Magnetis aposta na educação financeira para aumentar produtividade nas empresas

Fintech especializada em investimentos para pessoas físicas revela dados do impacto dos problemas financeiros na rotina corporativa e cria metodologia de 4 passos para empresas auxiliarem a gestão financeira de seus funcionários

Bem-estar financeiro. Com esse objetivo foi criada a fintech Magnetis, que mira no ambiente corporativo para trazer mais tranquilidade financeira para todos que trabalham na organização. Para isso, a Magnetis criou uma metodologia de 4 passos para ajudar os profissionais a aprenderem a cuidar das finanças e assim obterem maior produtividade.

A lógica está pautada em alguns estudos. O relatório Workplace Benefits apresentado em 2017 pelo Bank Of America Merrill Lynch apontou que o número de colaboradores com problema financeiros é em geral muito maior do que imaginam os gestores das empresas. 53% dos colaboradores dizem que o estresse financeiro interfere em sua habilidade de manter o foco e ser produtivo no trabalho.

E mais: 35% das pessoas financeiramente estressadas notaram o impacto dessas preocupações em sua saúde, segundo o Employee Financial Wellness Survey, realizado em 2017 pela PwC. E 76% dos financeiramente estressados disseram que seriam atraídos por outra empresa que se preocupasse mais com seu bem-estar financeiro, concluiu o Special Report: Financial Stress And The Bottom Line, também realizado em 2017 pela PwC.

Para entender como a Magnetis pode trazer maior conhecimento e tranquilidade financeira para funcionários, conversamos com Vinicius Vazquez, Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Magnetis.

O que vocês oferecem exatamente? Como o seu serviço é diferente das outras no mercado?

O Magnetis Corporativo é o primeiro benefício de bem-estar financeiro do Brasil. É um programa de educação financeira que as empresas podem oferecer para seus colaboradores, com duração mínima de 12 meses. Esse benefício promove o bem-estar financeiro dos colaboradores, por meio de quatro etapas.

  1. Diagnóstico completo da saúde financeira do funcionário. O funcionário recebe esse diagnóstico detalhado e a empresa recebe um relatório agregado para entender como está a saúde financeira dos seus colaboradores em geral.
  2. Educação. Nela o colaborador aprende de forma customizada, de acordo com o seu perfil, por meio de vídeos e lições no aplicativo ou computador.
  3. Consultoria individual com um planejador financeiro.
  4. O colaborador tem a opção de fazer sua gestão de investimentos por meio da Magnetis, sem custos, de acordo com o plano contratado pela sua empresa.

O Magnetis Corporativo é um dos serviços da Magnetis, fintech especializada em investimentos para pessoas físicas.

Que tipo de empresa pode se beneficiar deste tipo de serviço?

Empresas de todos os portes, assim como associações e entidades de classe podem oferecer o benefício Magnetis Corporativo para seus colaboradores ou associados. O Magnetis Corporativo democratiza a educação e a consultoria financeira, empoderando o colaborador para superar seus principais desafios financeiros. O resultado para as empresas é mais produtividade, satisfação e retenção de talentos.

Quais são os erros mais comuns que você vê as empresas cometendo em relação à forma como pensam em relação à assistência financeira aos colaboradores?

Eu dividiria os erros em dois:

  • Empresas que simplesmente não oferecem assistência financeira ou outros benefícios, pois não possuem a cultura de benefícios como pacote estratégico para produtividade, retenção e satisfação. Ou mesmo porque não se sentem responsáveis por ajudar o colaborador com nada, além do que a justiça trabalhista as obriga.
  • E empresas que valorizam o colaborador, mas falham ao não buscar as melhores ferramentas para medir qual é o impacto específico dos problemas financeiros na vida dos funcionários e nos resultados que eles apresentam no ambiente de trabalho. Daí, acabam por não priorizar a questão.

Dessa lista de erros, qual você considera o mais grave? Por quê?

O segundo erro é mais grave. São empresas que acreditam que o problema financeiro não existe ou que é apenas restrito a uma minoria dos colaboradores. Como os atuais instrumentos (pesquisas, clima de satisfação, nível de empréstimos e adiantamentos de salário) não mensuraram por completo a questão financeira, essa empresa acaba cometendo o erro grave de confundir a não identificação de um problema com a ausência do mesmo.

Para se ter uma ideia, na amostragem das empresas que já oferecem o Magnetis Corporativo, 54% dos colaboradores têm algum tipo de problema financeiro. Ou seja, essas empresas têm problemas concretos e até então não tinham percebido.

Imagine que uma empresa está preocupada em implantar melhorias em relação a este assunto. Por onde deve começar? De maneira sucinta e objetiva, quais as principais recomendações?

A primeira etapa é entender qual é o real tamanho do problema. A minha sugestão seria medir internamente por meio de uma pesquisa completa. Entretanto, o colaborador costuma ser cético na hora de passar as informações financeiras pessoais para própria empresa e o RH não possui a expertise financeira para fazê-la.

Uma alternativa é o diagnóstico do Magnetis Corporativo, uma solução sem custos que mede a saúde financeira global dos colaboradores, fornecendo uma visão realista de como o quadro da empresa está em relação aos problemas financeiros. A empresa pode ainda se comparar com outras empresas e obter um rating de saúde financeira.

Com tanta experiência na área, quais dicas ou informações você vê sendo dadas pela mídia ou sobre especialistas sobre o assunto Educação Financeira com as quais não concorda ou que acha que tiram o foco do que é mais importante e relevante?

O tema da educação financeira dentro das empresas ainda não é frequente na mídia, mas eu acredito que vai ganhar espaço cada vez mais. É o movimento que já está acontecendo com o tema das finanças pessoais, que nos últimos anos ganhou mais cobertura na imprensa, diante da crise, inflação alta e discussões sobre a Reforma da Previdência.

Outro ponto é que também ouvimos muito falar de questões relacionadas ao endividamento do brasileiro. Mas para o brasileiro sair do perfil endividado e ir para o perfil poupador, é preciso que o assunto do endividamento seja tratado de uma maneira ampla. Não basta só resolver um empréstimo em atraso ou renegociar uma dívida, é importante pensar em planejamento financeiro como um todo, pois essa é a solução mais perene.

Para saber mais

Acesse: corporativo.magnetis.com.br

Assista a esse vídeo no canal da Magnetis no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=zoBMimSHV10. 

Leia também