DreamShaper: estrangeiros criam modelo de sucesso para atender educação no Brasil

Conheça a plataforma online de educação portuguesa trazida para o Brasil que desenvolve habilidades socioemocionais nos alunos

O Brasil tem muito para crescer na área educacional e já tem estrangeiro de olho nesta oportunidade. A DreamShaper foi criada em 2010 em Portugal e nasceu do trabalho da Acredita Portugal, uma ONG Portuguesa dedicada a encorajar o empreendedorismo e desenvolver habilidades socioemocionais.

A DreamShaper é uma plataforma online de ensino que permite a criação de projetos temáticos em sala de aula. Sua metodologia foi desenhada com professores da Harvard Business School e Stanford University, e testada por mais de 100.000 alunos e professores.

A plataforma chegou ao Brasil em 2014, em parceria com a Fundação Lemann, com a ideia de proporcionar grande impacto social a um baixo custo. Com aplicação no ensino fundamental, médio e superior em escolas públicas e privadas, ela tem atualmente um custo de R$ 204 por aluno ao ano. As escolas particulares pagam pela plataforma, enquanto fundações como Lemann, Centro Paula Souza e Secretaria de Educação do Estado de São Paulo bancam a plataforma para escolas públicas.

A previsão da DreamShaper é de impactar mais de um milhão e meio de jovens até 2020. Confira a seguir a entrevista com João Borges, Cofundador da DreamShaper.

Vamos começar pelo começo: como e quando surgiu a DreamShaper?

A DreamShaper surgiu em 2014 como uma plataforma de apoio no desenvolvimento de projetos empreendedores. Rapidamente a gente se posicionou no mercado da educação, promovendo o uso da plataforma como uma ferramenta para professores no desenvolvimento de projetos empreendedores temáticos no âmbito das suas aulas.

Hoje, a DreamShaper é uma startup de tecnologia voltada para a educação que promove o desenvolvimento de competências do século XXI (resiliência, determinação, trabalho em equipe, etc.) e que vão ao encontro do perfil que o mercado de trabalho cada vez mais exige de um jovem profissional.

Quem é seu público-alvo e como vocês se diferenciam de outras empresas da área?

O nosso público-alvo são escolas e universidades. A DreamShaper é uma solução utilizada nestas instituições – é para elas que comunicamos e é junto a elas que nos posicionamos.

Vocês têm Missão, Visão, Valores bem definidos? Se sim, quais são?

A missão da DreamShaper é dar a qualquer um as ferramentas necessárias para construir e seguir o seu sonho. A visão da empresa é construir um mundo em que todos os jovens terminem os estudos se sentindo capazes de entrar no mercado e de serem bem sucedidos, seja qual for o caminho profissional que escolherem.

Os nossos principais valores passam pelo grande foco em causar impacto social, por abraçar uma cultura de solidariedade e excelência, e por desenvolver todos do nosso time para que se tornem pessoas e profissionais melhores.

Quais foram as maiores dificuldades nestes últimos dois anos, com a economia em recessão?

Com a economia em recessão, a maior dificuldade que sentimos foi garantir que as organizações educativas não diminuíssem o investimento e o compromisso em melhorar e atualizar os métodos de ensino e sua proposta educativa.

Quais foram os principais sinais de sucesso que começaram a aparecer, mostrando o acerto da estratégia e modelo de negócio da DreamShaper nestes últimos meses?

O sucesso da DreamShaper pode ser medido por meio de vários fatores. Entre eles, destacamos:

  1. A reação positiva e satisfação dos professores e dos alunos quando utilizam a DreamShaper.
  2. A comprovação do impacto da DreamShaper nos alunos por meio dos resultados de um estudo de impacto social que envolveu mais de 5.000 estudantes. O desenvolvimento das tais competências do séc. XXI tornou-se palpável e revelou-se numa grande prova do sucesso da empresa até então.
  3. Por consequência, temos uma proposta de valor que vem sendo bem recebida tanto por sistemas privados de ensino quanto por instituições que financiam o crescimento da nossa atuação na rede pública de ensino, que só este ano contará com mais de 250 mil alunos.

O que vocês fazem que é totalmente diferente da maior parte dos concorrentes?

Os diferenciais da DreamShaper são:

  • a adaptação da plataforma a qualquer disciplina (português, matemática, história, etc.).
  • O treinamento e acompanhamento que damos aos professores e aos alunos ao longo do desenvolvimento dos projetos.
  • A facilidade de utilização do produto (que é extremamente intuitivo para alunos e professores e muito fácil de implementar na escola)
  • E, sobretudo, o impacto comprovado que geramos no processo de aprendizagem, através do desenvolvimento de competências comportamentais e do mundo do trabalho dos alunos.

Especificamente em relação a Vendas (que é nosso foco na VendaMais), como vocês treinam a equipe comercial para reforçar seus diferenciais e não cair na guerra de preços?

O mais importante para uma nova pessoa começar na nossa equipe de vendas é ela compreender a fundo a nossa atuação. Não só o funcionamento da nossa tecnologia e sua implementação nas escolas e universidades, mas também o impacto dela. Também importante, essa pessoa deve, desde cedo, conhecer as principais estratégias e direções da empresa para o próximo ciclo de trabalho.

Depois sim entra o treinamento específico no processo de venda, em que introduzimos a pessoa às ferramentas e metodologias que utilizamos e a inserimos progressivamente no processo comercial, até que se torne autônoma nos processos que irá desempenhar.

O que vocês têm feito de especial para atrair novos clientes e que tem funcionado bem?

Em primeiro lugar, os resultados que entregamos aos nossos clientes até hoje. Temos uma taxa de retenção de cliente perto de 100% ao longo dos 3 anos em que já estamos ativamente no mercado. Depois, contamos com processos comerciais inbound e outbound bem organizados e produtivos. E, mais recentemente, fizemos uma aposta em marketing e comunicação que vem ampliando o conhecimento sobre o nosso trabalho e multiplicando as oportunidades futuras.

E em termos de fidelização de clientes, algo em especial que façam para que os clientes continuem comprando ou fazendo negócios com vocês?

Planear de forma consciente, ter uma relação transparente e de permanente cooperação, trabalhar contra kpi’s e resultados e, sobretudo, entregar uma experiência que corresponda ou supere as expectativas.

Existe algo que era feito antes e que vocês pararam de fazer, por mais dura que fosse a decisão, para atualizarem seu modelo de negócios?

Sim, ao longo do nosso percurso testamos diversas variantes do nosso modelo de negócios, como todas as startups fazem nos seus primeiros anos. Perseguimos intensamente negociações quase impossíveis, apostamos muito esforço comercial em iniciativas que não tiveram o retorno esperado. Mas isso faz parte do percurso. Em outros casos acertamos e foram nesses que seguimos. Com as falhas acabamos retirando os nossos maiores aprendizados até hoje.

Em quais áreas da empresa foram feitos os principais investimentos nesse processo de crescimento da DreamShaper? Não só em termos de dinheiro/investimentos, mas revisão de processos, aumento de eficiência, etc. Ou seja, onde foi colocado mais foco e energia?

Sobretudo nas áreas de produto e comercial, para que fôssemos capazes de testar e errar o mais rapidamente possível e, assim, aprender a entregar hoje um produto que os utilizadores adoram e um modelo de negócios bem testado e preparado para crescer mais.

Quais os próximos passos? Ou seja, o que estão planejando para o futuro? Qual o próximo grande objetivo?

Chegar a 1,5 milhões de alunos até 2020! Temos planos de expansão internacional ambiciosos e queremos levar a educação do século XXI para todo o mundo.

Que conselhos daria para um empreendedor pensando em iniciar um projeto pessoal, mas ainda relutando se começa (arrisca…) ou não?

Cara, chute no gol! Procure, não se acomode e procure sempre aprender mais!

Existe algum livro, vídeo, filme, pessoa que mais influenciou sua trajetória pessoal/profissional e que você recomendaria para pessoas que querem resultados melhores?

The Lean Startup (em português, A Startup Enxuta), de Eric Ries.

Para saber mais