Como reter o aprendizado em treinamentos corporativos

Por Samir Iásbeck

Quando bem planejado e executado, o treinamento corporativo pode ter diversos tipos de recompensas por méritos, conquistas ou, até mesmo, prêmios físicos ou experiências (de vida ou estudos) inacreditáveis. Não importa o cargo do colaborador, a capacidade de sempre aprender trará – sem dúvida – mais sucesso ao seu time e para toda a empresa também.

No entanto, o treinamento dentro das corporações nem sempre é um exercício simples. Há sempre vários desafios a serem superados. Por exemplo: o estabelecimento de um orçamento para tal fim, encontrar o tempo ou o momento para treinar pessoas, escolher os métodos corretos de ensino. E, também, como checar e tomar atitudes decorrentes do sucesso ou fracasso de um programa de treinamento.

Um dos maiores desafios para treinamentos corporativos

Um dos maiores obstáculos que o responsável pelo desenvolvimento e engajamento de pessoas enfrenta é saber se seu colaborador conseguiu realmente reter todas as informações consideradas valiosas pela organização.

Infelizmente, ainda hoje em dia, vários funcionários acham os treinamentos dentro das grandes organizações bastante tediosos, chatos e sem motivação. Às vezes, isso se resume ao método de ensino ou software utilizado em si ou à pessoa que lidera o programa. No entanto, isso também pode ser causado pelo assunto, que pode ser bastante irrelevante, mal dimensionado ou não estar relacionado ao dia a dia do indivíduo.

Por conta de tudo isso, os colaboradores não focarão nestes treinamentos. E, por consequência, não estão preparados para os dias atuais em que aprender a aprender tornou-se sine qua non para a sua manutenção no mercado de trabalho, mas principalmente, para a inovação e sustentabilidade da empresa no negócio.

Retenção e engajamento

Um ponto relevante é que, quanto mais o funcionário se envolver e ver utilidade nos treinamentos dentro das organizações, mais conseguirá voltar ao seu posto de trabalho e aplicar todo o aprendizado em prol da empresa. Por tudo isso, a retenção e o engajamento de pessoas vêm se tornando cada vez mais a vedete do departamento de recursos humanos.

E mesmo que os funcionários possam demonstrar seu aprendizado no ambiente de trabalho ou em cenários da vida real, sempre há espaço para melhorias. Se você investiu uma quantidade significativa de tempo, esforço e dinheiro em treinamento, obviamente deseja obter os melhores resultados possíveis. Por esse motivo, cada vez mais empresas estão explorando maneiras de aumentar as taxas de retenção de seus “alunos” por meio da interface mobile (smartphones e tablets), microlearning e gamificação.

Felizmente, existem algumas técnicas que tem se tornado cada vez mais comuns e que comprovadamente aumentam a capacidade do indivíduo para lembrar de informações cruciais. Portanto, se você tem medo de que o treinamento corporativo não melhore o desempenho de seus colaboradores, as dicas a seguir fornecem algumas informações valiosas e úteis:

O mobile e a Realidade Virtual (VR), Aumentada (AR) ou Híbrida (MR)

Ambientes virtuais com Realidade Virtual (VR) ou híbridos com a Realidade Aumentada (AR) possuem características e desafios muito próximos do mundo real e da rotina do colaborador. Isso dá aos indivíduos a oportunidade de desenvolverem conhecimentos e demonstrarem proficiência, antes mesmo de iniciarem as atividades na prática.

Recursos sociais, objetivos e gamificação

Partindo de uma perspectiva de treinamento corporativo, a criação de um treinamento com um objetivo específico, recursos sociais e/ou gamificação, em vários contextos, pode melhorar significativamente a retenção de conhecimento. Além disso, indivíduos que não estão muito familiarizados com um aprendizado mais tecnológico – e muito menos por meio de uma tela de smartphone – se sentirão assistidos pela metodologia. Dessa forma, farão associações inconscientes com outros aplicativos que utilizam diariamente no celular, tais como apps de redes sociais, games, fotos, mensagens, entre outros. Isso poderá fazê-los superar quaisquer medos e os assuntos serão entendidos com mais profundidade, além de prender ainda mais a atenção de todos. 

Espaço e repetição

A mecânica de espaço e repetição é uma técnica de aprendizado que explora o efeito de espaçamento psicológico e da repetição para ajudar a aumentar a retenção da memória de longo prazo. Se você implementar um treinamento em que os temas sejam recorrentemente revisitados e estudados durante um período mais prolongado, os funcionários terão mais chances de manter e sedimentar esses novos aprendizados e conhecimentos. Mas é crucial programar, roteirizar e criar uma boa régua de contato com o aluno, para que o ensino e os conteúdos sejam entregues no momento certo e para que os usuários não se esqueçam das informações importantes antes da próxima oportunidade onde o conteúdo será revisitado.

Samir Iásbeck é CEO e Fundador do Qranio, plataforma mobile de aprendizagem que usa a gamificação para estimular os usuários a se envolverem com conteúdos educacionais em todos os momentos. Seu foco é auxiliar companhias na criação de treinamentos personalizados para possibilitar que os colaboradores destas empresas tenham acesso às informações na hora e no local que necessitam, por meio de recursos que incentivam o autodesenvolvimento.

Samir foi indicado como empreendedor do ano pela Microsoft, em 2013 e em 2014 foi nomeado pelo governador de Minas Gerais o 1º Embaixador de Startups e Empreendedorismo com a missão de divulgar o estado e o programa Seed MG pelo mundo. Foi eleito um dos 50 profissionais mais inovadores da comunicação e do marketing do Brasil pela revista ProXXIma, em 2014. Em 2015, Samir foi selecionado para o seleto programa de experts da Google.

Leia também