Asaas: tecnologia automatiza processo de cobranças

Em 2011, o então desenvolver de softwares Piero Contezini trabalhava em uma empresa criada junto a outros sócios para oferecer soluções em tecnologia a outros negócios. Passado algum tempo, percebeu que sua secretária passava mais tempo ligando e cobrando os clientes (muito deles, amigos de Piero) do que tratando dos assuntos ligados à tecnologia. Ao invés de apenas reclamar da inadimplência, Piero resolveu colocar o próprio negócio para trabalhar para si. Identificou ali uma oportunidade: criar uma forma de automatizar o processo de cobrança. Surgiu assim o Asaas, que em pouco tempo se mostrou uma solução não apenas para o negócio de Piero, mas uma ferramenta para apoio, sobretudo, a outras micro e pequenas empresas.

De lá para cá, a solução já efetuou mais de 58 milhões de cobranças em todo o Brasil, ajudando a diminuir 55% da inadimplência de seus usuários. Por meio do Asaas, é possível emitir boletos e programar cobranças. Quando o sistema identifica que uma conta não foi paga, ele gera cobranças periódicas lembrando da dívida por meio de telefone ou e-mail. Confira no vídeo a seguir um pouco mais sobre a ferramenta:

Quer saber mais sobre o potencial da ferramenta para automatizar o processo de cobrança de sua empresa? Confira a seguir a entrevista com Piero Contezini, CEO da Asaas: 

O que vocês oferecem exatamente no Asaas? Como o seu serviço é diferente de outras empresas similares no mercado?

Nosso produto ajuda o empreendedor a diminuir o tempo que ele leva para receber dinheiro dos seus clientes, através de uma aplicação que cria uma régua de comunicação inteligente, com o objetivo de facilitar tanto para o pagador quanto para o cobrador. O processo é simples e seguro, aceitando diversos meios de pagamento, como boletos bancários, cartão de crédito e débito, depósito e transferência. Nosso principal diferencial está na inteligência aplicada nos diversos meios de comunicação, como e-mail, SMS, voz, correios, além de ações de recuperação, como envio para empresas de cobrança e muito em breve cartórios e negativação.

O passo a passo da solução é assim:

  1. Você cria uma cobrança para receber de seu cliente.
  2. O Asaas notifica por email e/ou SMS o seu cliente, avisando sobre a cobrança que você gerou.
  3. À medida que o tempo passa, o Asaas envia novas mensagens como lembrete, com informações sobre a conta que seu cliente deve pagar.
  4. Caso seu cliente não pague até a data do vencimento, o Asaas continua enviando lembretes por até cinco semanas.
  5. Você recebe mensagens sobre a evolução das cobranças de cada cliente.
  6. A qualquer momento, você confere as informações em telas e relatórios.

Na VendaMais somos 100% focados em vendas. Como a utilização de um software para cobranças pode ajudar a área de vendas da empresa e os pequenos e médios negócios? Pode compartilhar com a gente alguns casos de sucesso do Asaas?

Nós temos duas funcionalidades bem interessantes que ajudam nas vendas. A primeira se chama “Link de Pagamento”, onde é possível criar um link para anunciar e vender produtos online por meio de redes sociais e aplicativos de comunicação. Nele é possível anexar fotos e escolher todos os detalhes para vender de forma rápida produtos pela internet.

E ainda temos o nosso sistema de cobranças, que facilita muito nas vendas, como no exemplo da primeira pergunta. E ainda mais: é possível anexar arquivos para serem baixados antes e depois do pagamento, para enviar uma proposta comercial e, após o pagamento, disponibilizar um arquivo adicional, como um projeto de uma obra ou uma logomarca em alta definição, facilitando profissionais que trabalhem com entrega de arquivos em formato digital. Além disso, o Asaas possui uma integração própria com prefeituras para emissão de notas fiscais eletrônicas, o que faz com que seja possível, em apenas um clique, emitir as notas em condições específicas, como antes do vencimento, após o pagamento, no mês seguinte, em um dia específico após o pagamento, entre outros.

Um exemplo é uso do sistema pelos Bombeiros Voluntários de Joinville, no norte de Santa Catarina. A instituição é mantida por doações e, ao ver diminuir o seu volume de caixa, decidiu contar com o auxílio da tecnologia para não perder mais contribuições. Ao adotar o Asaas, a quantidade de contribuintes que havia suspendido as doações caiu mais da metade. O diretor executivo do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville, Matheus Cadorin, afirma que desde o início da parceria, em janeiro de 2016, os atrasos caíram dos 4,5% para menos de 1% dos mais de 20 mil cadastrados.

Piero Contezini CEO do software de cobranças Asaas

Que tipo de empresa pode se beneficiar deste tipo de serviço?

Hoje identificamos mais de 900 ramos de empresas que se beneficiam do uso da nossa aplicação, em especial empresas que prestam serviços ou vendem produtos onde o pagador nem sempre está disponível no momento da entrega do produto/serviço. Exemplo disso é alguém que venda de porta em porta: às vezes, é preciso passar em outro momento para cobrar quem efetua o pagamento. Com a nossa aplicação, é possível emitir a cobrança para a pessoa certa, sem precisar voltar no local para fazer cobranças.

E também todo tipo de empresa que forneça seus trabalhos de forma remota, como empresas de design, consultorias, cursos, info-produtos, etc.

Da mesma forma, que tipo de situação a Asaas NÃO se propõe a resolver?

Hoje nós ainda não atendemos empresas do varejo. É uma deficiência do produto por não termos nossa própria máquina física.

Quais são os erros mais comuns que você vê as empresas cometendo em relação à automatização de cobranças e criação de ferramentas e softwares?

No geral tem a ver com a forma como as comunicações são feitas e os canais utilizados. Entregar e-mail corretamente e enviar SMS não é algo simples, parece ser, mas em quantidade, a tendência é de grande parte não chegar no destinatário.

Também é necessário testar o conteúdo das mensagens. É normal ele não falar o que precisa para que a pessoa se comprometa com o pagamento.

Dessa lista de erros, qual você considera o mais grave? Por quê?

Entregabilidade de mensagens é um problema, nós levamos vários anos para resolver. Parece simples quando se envia pouca coisa, mas em escala requer uma engenharia considerável. Ter absoluta certeza que a mensagem chegou ao destinatário é 90% do processo de cobrança.

Imagine que uma empresa está preocupada em reduzir a inadimplência. Por onde deve começar? De maneira sucinta e objetiva, quais as principais recomendações?

Primeiro definir claramente quem são os devedores, quais os prazos e as formas de pagamento que deseja disponibilizar para o cliente. Depois, enviar claramente as informações sobre a transação – ela requer algum dado adicional? Uma nota fiscal? Um contrato? Tome cuidado para enviar todos os dados para que o pagador possa fazer o pagamento.

A cobrança é de algum projeto em específico? Seja claro em relação ao que está sendo cobrado. Também avise o que poderá acontecer caso não seja feito o pagamento – vai ser interrompido o serviço? Vai para protesto ou para órgão de proteção de crédito?

A cobrança é uma proposta? Venda o produto. A cobrança é uma dívida? Deixe claro que há consequências do não pagamento de dívidas.

Com tanta experiência na área, quais dicas ou informações você vê sendo dadas pela mídia sobre redução de inadimplência e sobre softwares empresariais com as quais claramente não concorda, que acha exageradas ou apenas modismos que passarão?

Acho que o principal erro que a maior parte das empresas comete é confundir o fato de emitir um boleto bancário e enviar para o cliente com o processo de cobrança, que vai muito além disso. No nosso caso, ele começa 30 dias antes do vencimento e vai até 180 dias depois, com algumas dúzias de interações de acordo com o comportamento do pagador.

Onde uma pessoa que quiser saber mais sobre o Asaas pode encontrar informações e tirar dúvidas?

O site do Asaas tem um espaço com alguns esclarecimentos sobre a solução: http://ajuda.asaas.com/. Além disso, estamos disponíveis pelo fone (11) 3230-0606 e pelo chat do site.

Para saber mais:

Leia também: