Ainda vale a pena ter um site profissional, com tantas redes sociais por aí?

Por Luiz D’Elboux

Atualmente, as relações pessoais e profissionais estão convergindo nas mídias sociais, como os populares Facebook e Instagram. Até o WhatsApp – que não é rede – exerce função importante e molda o comportamento de empreendedores e consumidores. É comum conversar com colegas na empresa que encontraram uma marmitaria, ou tantos outros negócios, em uma rede social e fizeram um pedido para o almoço pelo aplicativo de troca de mensagem.

Talvez você se pergunte: “Com tantas redes sociais, ainda é importante ter um site?” A resposta é sim. Melhor do que ser encontrado nas redes é ser encontrado no Google. Vou mostrar alguns dados do Sebrae, em pesquisa com micro e pequenas empresas, que vão convencê-lo a criar um site e fortalecer seu negócio na internet.

Buscar no Google é o primeiro recurso

De acordo com a pesquisa, o Google é o primeiro site que os empreendedores procuram quando precisam de ajuda. Entre os MPEs, 63% pesquisam fornecedores e preços na plataforma antes de contratar serviços. Se você está buscando aumentar sua clientela, chegou a hora de fortalecer sua presença online.

Mesmo com esses dados, apenas 27% dos empreendedores têm sites para seu negócio. Pense bem: você sai na frente da concorrência só por estar presente no Google, maior buscador da internet.

Você pode manter WhatsApp e redes sociais, que seus clientes atuais certamente amam. Agora, como os novos clientes vão encontrar você? De acordo com uma pesquisa interna realizada com clientes da HostGator:

  • 78% dizem que ter um site expõe o negócio de maneira mais profissional
  • 70% afirmam que o marketing digital ajuda a trazer novos clientes
  • 69% dizem que a presença online ajuda a se destacar da concorrência

Soluções a um clique de distância

Comecei o texto com o exemplo da marmitaria, em que muitos colegas do trabalho compram, diariamente, por meio de WhatsApp. Falei de um segmento de ticket médio baixo, com capacidade de escalar. Neste caso, “escalar” é ir além do seu círculo de contatos (aqueles que já são clientes e conhecem sua loja) e chegar até novas pessoas. Já parou para pensar no volume de buscas no Google, diariamente, para “entrega de marmita” ou “delivery de marmita”? Garanto que são milhares.

Fiz uma busca por esses termos e o resultado foi interessante. Os primeiros resultados são os que estão na minha região e, certamente, vou optar por um deles para meu almoço. Enfim, além de redes sociais e do “boca a boca”, um site tem potencial para aumentar significativamente as vendas de uma empresa.

Existem algumas soluções básicas para mudar esse cenário e ajudar a fortalecer a presença da sua marca na internet:

Criador de sites: essa ferramenta cria um site, automaticamente, a partir da sua página profissional do Facebook. Veja bem, 40% das MPEs estão na rede social e apenas 27% têm site. Que tal se destacar dando alguns cliques a mais?

WordPress: um terço da internet usa esta plataforma. Além de simples para criação de sites, ela conta com templates (modelos prontos) de páginas para os mais diversos tipos de negócio. Seus clientes vão ficar impressionados com a qualidade do seu site.

Google Ads: essa solução pode trazer resultado rapidamente. A plataforma de anúncios do Google apresenta seu site para o público certo. Você pode selecionar palavras-chave e investir em tráfego.

5 dicas para ter um site profissional e para melhor ranquear no Google:  

  1. Ofereça conteúdo relevante

Além de disponibilizar informações úteis, relevantes e originais para o seu cliente, lembre-se de dados básicos como endereço, formas de contato, horário de atendimento, condições de pagamento e a descrição dos produtos e serviços. Também vale criar um blog para compartilhar experiências e educar o público-alvo a respeito do funcionamento de produtos e do universo do negócio.

  1. Navegação rápida

A velocidade de acesso e de carregamento do site importa para fins de usabilidade e ranqueamento. Imagens pesadas ou banners em excesso atrapalham a navegação. Um site de qualidade prioriza a rapidez, com imagens otimizadas e pronto para funcionar em browsers e dispositivos diversos. Se for um e-commerce, também é preciso cuidar da segurança no ambiente de compra e usar meios para dar agilidade ao checkout.

  1. SEO e Otimização

SEO é a sigla para Search Engine Optimization, que são técnicas de otimização com foco no posicionamento dos sites nos mecanismos de busca. Entre elas estão o uso de palavras-chaves estratégicas, a elaboração de meta descriptions (resumo que aparece logo abaixo do título dos resultados em uma busca) simples e diretas e a criação de links para outros conteúdos do próprio site.

  1. Atenção com a hospedagem

O servidor de hospedagem é um supercomputador que “guarda” o conteúdo que é exibido quando alguém acessa um site. Imagens, textos, vídeos, dados sobre produtos e todas as outras informações precisam ser mantidos em segurança. Por isso, é importante escolher um fornecedor de hospedagem confiável que ofereça planos com certificado de segurança SSL e suporte técnico 24h por dia.

  1. Avalie o desempenho

Para certificar a qualidade de um site, é necessário avaliar seu desempenho constantemente. Otimizações de imagens e SEO, atualizações de sistemas e plugins e testes de velocidade são boas práticas que, juntas, mantêm uma página rodando corretamente na internet.

Não há desculpas para deixar seu negócio no anonimato. Dê o primeiro passo: comece sua presença online de maneira profissional e aproveite ao máximo a credibilidade que as ferramentas de buscas podem oferecer.

Luiz D’Elbooux é especialista em estratégias de marketing digital e construção de marcas. Atualmente é Diretor de Marketing da HostGator América Latina, um dos principais provedores de hospedagem de sites e outros serviços relacionados à presença online. Fundada em outubro de 2002 nos Estados Unidos, a empresa conta, há dez anos, com um escritório no Brasil e tem forte atuação internacional. Para saber mais, acesse: hostgator.com.br/blog/ 

Leia também: