6 tendências para experiência do cliente em 2020

Tomás Duarte, CEO da Track, aponta quais iniciativas voltadas para CX estarão em alta neste ano 

Nos últimos anos, o investimento em CX (Experiência do Cliente) como um dos pilares estratégicos do negócio se tornou uma realidade em um número cada vez maior de empresas. “Essa mudança de comportamento está ligada ao fato das organizações terem entendido que, mais do que uma estratégia, investir nessa cultura é um ponto essencial para criar um diferencial competitivo”, explica Tomás Duarte, um dos principais especialistas em Net Promoter Score (NPS) e CEO da Track, startup que monitora e gerencia indicadores de experiência de clientes em tempo real por meio de canais digitais.

Quer saber quais iniciativas focadas na fidelização e no encantamento dos clientes deverão estar em alta ao longo de 2020? Confira a seguir a lista de tendências para experiência do cliente, de acordo com Duarte:

1. Desenvolvimento de ownership nos C-levels

Nos últimos anos, a contratação de profissionais como CXO (Chief Experience Officer) ou CCO (Chief Customer Officer) tornou-se comum, mas a ideia é dar um passo atrás. Ao invés de criar novos cargos para personificar a liderança de CX, a tendência é investir em ownership, ou seja, criar de fato uma cultura, iniciando pelas lideranças e disseminando, posteriormente, para todo o negócio.

2. Expansão de canais e coesão entre as estratégias

Segundo o especialista, outra grande tendência é expandir os canais de contato com o cliente. Portanto, o desafio está em criar estratégias adequadas e específicas para cada canal, e não simplesmente “atirar para todos os lados”.

>> A VendaMais quer conhecer como você mensura e pratica as experiências de seus clientes. Clique e participe da nossa pesquisa sobre Experiência do Cliente. Sua história pode ser selecionada para uma de nossas próximas reportagens na Revista VendaMais

3. Foco no ROI e métricas de experiência do cliente

De nada adianta despender recursos financeiros em estratégias de customer experience, se o retorno não for mensurável e palpável. Por isso, é provável que o cenário das métricas torne-se ainda mais relevante para as empresas, uma vez que a importância do CX no mercado tem aumentado e o dinheiro investido nisso é cada vez mais alto. “Ouvir o cliente é importante, mas analisar minuciosamente o que foi explanado é vital”, afirma Duarte.

Ainda neste cenário de métricas, no Brasil, a estratégia de avaliar alguns indicadores já é garantida no dia a dia das equipes de relacionamento, suporte e experiência do cliente. Atualmente, já existem inúmeras formas de ouvir, saber e metrificar a satisfação do cliente. A seguir estão três tendências de métricas:

4. Descriptive Experience (Experiência Descritiva)

Consiste em tracking (rastreamento e registro) da maior quantidade de dados comportamentais e análises subjetivas do cliente (pesquisa de satisfação). As análises contextuais, como avaliação de tom de voz e sentimento do cliente, podem complementar ainda mais o relatório.

5. Predictive Behavior (Comportamento Preditivo)

Por meio de dados, um algoritmo especializado avalia as informações em tempo real e faz o balanço de item a item, aumentando ou reduzindo a relevância para a saúde do cliente. Os algoritmos podem classificar clientes potenciais de renovação de contrato, promotores ou clientes passivos, por exemplo. Essa métrica oferece probabilidades estatísticas com base nos insumos de dados.

>> Tomás Duarte acaba de conceder com exclusividade uma entrevista para a Revista VendaMais. Confira em nossa próxima edição várias dicas práticas sobre experiência do cliente para você agregar em sua estratégia. Ainda não é premium? Conheça a assinatura premium, nosso programa contínuo e avançado de inteligência em vendas

6. Prescriptive Actions (Ações Prescritivas)

O que uma marca pode fazer para melhorar a experiência do cliente? É neste ponto que a camada prescritiva atua. São recomendadas ações para resgatar clientes em risco, sugestões para realizar algum tipo de desconto ou ações para reverter a experiência negativa do cliente. Mas, atualmente, existem outros métodos que ainda geram resultados como, por exemplo, o CSAT (Customer Satisfaction Index), o Ratings (cinco estrelas ou smileys), o Customer Effort Score (Índice de Esforço ao Cliente) e o NPS (Net Promoter Score), utilizado por cerca de 59,7% das empresas, segundo relatório da Track.

Tomás Duarte é CEO da Track, uma startup que monitora e gerencia indicadores de experiência de clientes em tempo real, por meio de canais digitais. Especialista em indicadores de performance da experiência do cliente e no monitoramento do Net Promoter Score (NPS), a empresa já impactou mais de 150 milhões de consumidores e 1.300 marcas em dez países como Brasil, Argentina, Peru, Chile, México, Colômbia e Estados Unidos. Fundada em 2012 por Tomás Duarte (CEO), Luiz Carvalho (COO) e Tatiana Carvalhais (CAO), a Track recebeu prêmios como o Consumidor Moderno em 2019, na categoria Software de Gestão de Feedbacks de Clientes, e o IBM Smartcamp América Latina, na categoria People Choice’s Awards. Sediada em Belo Horizonte (MG), atua com importantes companhias, como Allianz, Electrolux, Natura, Amil, SulAmérica, Gol, Cyrela, Banco Inter e MaxMilhas.

Leia também: