Coronavírus: 10 dicas para orientar PMEs no e-commerce durante a crise

Neste momento de crise global e incertezas, o pequeno e médio empresário é um dos que mais podem sentir os efeitos da paralisação da economia, e as vendas online estão se mostrando o caminho a ser seguido. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as vendas no e-commerce já registram uma alta de 30% na primeira quinzena de março.

Para ajudar a direcionar e organizar os esforços das PMEs no ambiente digital, a Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder para PMEs na América Latina, disponibiliza gratuitamente conteúdos de seu pilar de educação, a Universidade do E-commerce. Nela, os empreendedores podem acessar cursos gratuitos, artigos, vídeos e podcasts para aprender a lidar melhor com fluxo de caixa, gestão de estoque, ações de marketing, ferramentas e até dicas para melhorar a eficiência do trabalho remoto.

“Sabemos que o pequeno lojista é aquele que terá mais dificuldades de se manter durante a crise”, afirma Alejandro Vázquez, CCO da Nuvemshop. “Desde sua concepção, a Nuvemshop sempre se preocupou com a capacitação do empreendedor e o sucesso das lojas parceiras. Nesse momento de dificuldades, reafirmamos o compromisso e esperamos ajudar não só os nossos clientes, mas todos que não estiverem preparados para enfrentar esta turbulência”, completa.

A empresa disponibiliza ainda ferramentas para auxiliar a migração do lojista que ainda não tem presença online e, a partir das próximas semana, a startup realizará webinars ao vivo de capacitação para os gestores de e-commerce. A Nuvemshop trabalha também para lançar uma campanha para ajudar as PMEs a vencerem a crise, mas desde já separou algumas dicas para o lojista preparar um plano de ações rápidas neste momento de isolamento. Confira:

  1. Gere caixa com o estoque

Quem tem um estoque muito elevado pode incentivar as vendas com alguma promoção especial, caso o nível de vendas já tenha tido uma queda. Esta é a hora de recorrer ao frete grátis junto a algum outro benefício, como parcelamento sem juros, para não ter que fazer o desconto diretamente sobre o produto e desvalorizá-lo. O mais importante aqui é ter dinheiro na mão, liquidez, e essa receita ajudará a pagar as contas do dia-a-dia.

  1. Mantenha os níveis de inventário no menor valor possível

Tente trabalhar com capital de giro negativo (vender antes de comprar), se você acredita que conseguirá entregar os produtos no período estipulado para o seu cliente. De modo geral, as lojas trabalham com estoque mensal, mas você pode reduzi-lo para 15 dias, caso necessário. Mas, para que isso funcione, é fundamental consultar os fornecedores e garantir o prazo de entrega das mercadorias.

  1. Entenda a mudança de consumo e diversifique sua oferta

A crise do Covid-19 tem aspectos específicos e que direcionarão muitas mudanças de consumo, principalmente em torno das medidas de isolamento. Diversificar a oferta é algo que deve ser visto e revisto constantemente, mas num provável cenário de queda de vendas, é importante entender qual tipo de produto ou serviço supre mais necessidades nesse momento.

  1. Invista nos canais mais eficientes de marketing

O marketing não precisa parar: pelo contrário, tem negócios que, como esperam uma queda no movimento da loja física, estão aumentando a verba de marketing digital para o e-commerce. A hora é de analisar quais são as campanhas realmente efetivas, já que os esforços devem estar orientados a campanhas que ajudem na geração de vendas, como parcerias com lojas de produtos complementares, por exemplo. Agora não é momento para focar em branding, que poderá voltar a ser prioridade após a crise.

  1. Reinvente a experiência do cliente

Muitas iniciativas não serão viáveis de maneira presencial em lojas físicas, mas é possível aproveitar novas ferramentas online do momento para criar uma nova experiência digital. Um exemplo é a plataforma de vendas do Instagram, o Instagram Shopping.

  1. Crie uma campanha orientada para compras online

Comprar pela internet será mais seguro nas próximas semanas, e, portanto, o lojista deve aculturar os consumidores. Evitar contato físico por conta do coronavírus deve ser uma prioridade e muitas marcas já estão tomando providências de acordo com as necessidades do público e da equipe. Seja uma delas.

  1. Trabalhe em formato remoto o máximo possível

Relacionado ao tópico anterior, adote medidas de segurança. Tente tornar remoto o maior número de tarefas possível. O que for indispensável, como produção e logística, adote medidas de precaução e higiene, crie escalas entre funcionários e invista em transportes privativos. Analise a possibilidade de antecipar férias dos funcionários para ganhar um tempo de respiro.

  1. Reavalie meios de pagamento e envio

Durante a crise, o capital de giro (dinheiro na mão) tem um valor inigualável. Logo, a recomendação é entender como elevá-lo através de custos que estão embutidos na operação. Avalie os meios de pagamento e tempo de recebimento, às vezes valerá trabalhar com taxas um pouco mais altas, mas com antecipação dos recebíveis dos próximos 30, 60 ou 90 dias. Aproveite para entender as opções de meios de envio que oferece atualmente e diversifique-os, a fim de reduzir custos ou criar vantagens para o cliente, como entrega no mesmo dia.

  1. Renegocie suas dívidas

Dialogar com os fornecedores é fundamental neste momento de crise, em que é preciso que a relação comercial seja, mais do que nunca, de uma parceria. Tente estabelecer condições justas para ambos, já que estamos todos no mesmo barco, para quitar dívidas existentes e realizar compras futuras, sempre com o objetivo de manter o fluxo de caixa mais saudável possível.

  1. Fique atento às notícias do mercado

Governo tem adotado medidas de contenção de crise em todas as suas esferas, como a que isenta PMEs de pagar o Simples por três meses. A sociedade civil também tem realizado ações, como o movimento “Compre do Pequeno Negócio”, do SEBRAE, e até mesmo o Facebook tem auxiliado com crédito para ajudar os empreendedores nesse momento.

Como qualquer crise, essa também passará, e o caminho será menos tortuoso com a união. Caso consiga atravessar a turbulência com sucesso, não esqueça de compartilhar suas experiências com outros empreendedores e divida as estratégias que salvaram o seu negócio e que poderão também ajudar o próximo.

Essas dicas são da equipe de solução tecnológica de e-commerce Nuvemshop. Com mais de 30 mil marcas ativas, a empresa conta com mais de 160 colaboradores, localizados principalmente nos escritórios de São Paulo, Belo Horizonte e Buenos Aires. Para acessar a mais conteúdos da Nuvemshop, acesse: nuvemshop.com.br/universidade-ecommerce.

Leia também: